Tudo.ao.mesmo.tempo.agora

Archive for fevereiro 2010

Minhas primeiras impressões depois de assistir o episódio desta semana intitulado “Lighthouse” foram:

 

  • Jack garantiu sete anos de azar por cada espelho que ele quebrou. E se eu não me engano foram três, então ele vai estar um tanto quanto desprovido de sorte nas próximas duas décadas.
  • Eu realmente adoro o Hurley. A quantidade de falas clássicas que ele teve neste episódio foi sensacional.
  • Papai Jack é um cara legal. Eu gosto dele.
  • O Jack quase me fez gostar dele de novo. Quase.
  • O tema do episódio foi espelhos e ficou ainda mais claro que uma realidade reflete a outra de alguma forma.
  • O segredo dos números foi revelado.
  • A Claire pirou na batatinha e é BFF do Fake Locke.

 

 

Mas enfim, e o episódio, né? Eu gostei. Não foi o melhor episódio do mundo – achei que o da semana passada foi melhor – mas para um episódio do Jack foi bem legal. E olha que eu não suporto o Jack e quero que ele morra o mais rápido possível, mas ele estava até agradável durante a maior parte do episódio.

 

Como de costume, três histórias diferentes foram contadas. Na ilha, Claire salva o Jin dos Outros e diz que ficou na floresta este tempo todo. Ela acaba capturando um dos Outros que estava se fingindo de morto e o interroga sobre o paradeiro de seu filho. A princípio eu fiquei confusa porque ela abandonou o pobre do Aaron e agora ela está achando que ele foi seqüestrado pelos Outros? Rosseau style total!

 

Mas aí o Jin vai e fala que a Kate é quem estava com o Aaron este tempo todo e que ela o levou embora da ilha. O que realmente não foi uma boa idéia, considerando que Crazy Claire realmente está louca de pedra. Ela mata o Outro que havia capturado e Jin diz que estava mentindo e que o Aaron realmente está no Templo e que ele pode ajudá-la a entrar lá.

 

Confuso, mas uma boa idéia porque Claire fala que se a Kate realmente tivesse levado o Aaron, ela a mataria. E considerando que a Kate está andando pela floresta procurando a Crazy Claire, é uma ótima idéia levar Rosseau versão 2.0 para bem longe da minha fugitiva preferida. Porque, ao contrário de muita gente, eu não quero que a Kate morra. Pronto, falei. Ah, e no final o Fake Locke aparece e a Crazy Claire o apresenta como o amigo dela.

 

Então, contabilizando os recrutas do Fake Locke: Claire, Sawyer e Sayid (talvez).

 

Em outra parte da ilha, Jacob encarrega o Hurley de levar o Jack a um farol dizendo que alguém está vindo para a ilha e o farol ligado vai ajudá-los a encontrá-la. E o detalhe mais importante é que o Jack tem que ir. Quando eles chegam lá, o farol é composto de espelhos e o Hurley, seguindo ordens do todo poderoso Jacob, tem que colocar os espelhos em 108º. Enquanto Hurley está girando os espelhos Jack vê algumas imagens neles e, quando olha para baixo, vê que cada grau está ligado a um nome. E o seu está ligado ao número 23 e quando o espelho está a 23º mostra a casa em que Jack cresceu.

 

Isso prova que o Jacob estava vigiando todos os candidatos desde crianças. Outro detalhe importante é que o nome da Kate está na lista e NÃO está riscado. E já que toda a temática do episódio – da temporada, né? – é espelho e reflexos, o número da Kate é 51, o reflexo exato do número do Sawyer. Pode não significar nada, mas que é legal é.

 

Aí dá a louca no Jack e ele quebra TUDO! E aí eu voltei a odiá-lo. Idiota. Depois, Jacob diz a Hurley que o Jack tem uma missão importante na ilha e ele precisava que o médico entendesse o quanto ele é importante.

 

Aliás, pra que não deus as caras em cinco temporadas, o Jacob está mega sociável agora, né não?

 

No flashsideways, o Jack continua sem encontrar o corpo do pai, mas isso não foi o foco deste episódio. O importante é que nesta nova realidade o Jack é papai. E de um adolescente. A história foi muito legal e o Jack foi tão agradável que eu quase virei fã de Papai Jack. David, seu filho, não o vê muito e eles não se dão muito bem. Mas no final das contas eles fazem as pazes e foi tão bonitinho.

 

Agora a pergunta que não quer calar é quem é a mãe do moleque. Eu estou apostando na Juliet. E vocês?

 

No geral, episódio muito bacana, com algumas respostas. Agora, a questão dos números só foi resolvida parcialmente pra mim. Tá, explicou porque cada um estava ligado a um número. Mas não explicou porque esses números eram importantes na escotilha. Ou porque são supostamente amaldiçoados. Será que eu estou pedindo demais?

Anúncios
Tags: , ,

Título original: My sister’s keeper

Elenco: Cameron Diaz, Abigail Breslin, Alec Baldwin, Joan Hart, Sofia Vassilieva e Jason Patric

Direção: Nick Cassavetes

Baseado no livro “My sister’s keeper” de Jodi Picoult, o filme de mesmo título conta a história de uma família e a luta contra a leucemia. Anna Fitzgerald (Abigail Breslin)  é a irmã mais nova de Kate (Sofia Vassilieva), que tem leucemia recorrente desde muito pequena. Anna foi concebida especificamente para ser a doadora perfeita para a sua irmã. No entanto, aos onze anos, quando Kate está com leucemia terminal, Anna vai a um advogado (Alec Baldwin) e pede que ele a represente no tribunal para pedir sua emancipação médica, pois ela está cansada de servir de cobaia para os médicos a favor de sua irmã.

O enredo básico gira em torno disso. No entanto, a história da família é contada do ponto de vista de cada membro: do pai (Jason Patric), da mãe (Cameron Diaz), do irmão Jesse (Evan Ellingson), da própria Kate e da caçula Anna.

A história é tão singela e verdadeira e retrata tão perfeitamente a luta e a dor desta família na luta contra o câncer, que é impossível não se emocionar. Com um fim surpreendente, é um filme que mostra a união de uma família nas horas boas e ruins. Agora, é bom preparar os lenços porque se você tem coração de manteiga igual a mim, você vai chorar do início ao fim da história. 

Mas vale muito, muito a pena. A Cameron Diaz – que eu estava acostumada a ver apenas em papéis bobinhos de comédias românticas – surpreende neste filme. Além dela, a pequena Abigail Breslin (Pequena Miss Sunshine, 2006) dá um show, como sempre. O amor que ela demostra pela irmã, em sua interpretação da independente Anna Fitzgerald é emocionante.

Recomendo e muito. Já está disponível nas locadoras!

Interessou? Então dá uma olhada no trailer:

Para todos que reclamaram, xingaram e espernearam semana passada sobre o episódio da Kate, acho que esta semana podem ficar bem quietinhos. Ou não, porque o quarto episódio da última temporada de LOST, intitulado The Substitute foi um prato cheio para os fãs da mitologia do seriado e, ao mesmo tempo em que deu algumas respostas, levantou outras várias questões.

Primeiro porque foi um episódio do Locke e esses têm uma fama enorme de serem icônicos. Vê-se Walkabout (1ª temporada) e The Brig (3ª). Com exemplos como estes, acho que todos os fãs já começaram a assistir o episódio desta semana esperando que fosse fenomenal. E posso dizer que não se decepcionaram.

Admito que nos primeiros vinte minutos, mais ou menos, o episódio ainda não havia me convencido. Mas depois, o negócio foi frenético.

Foram três tramas apresentadas:

1)      Ilana, Ben, Sun e Frank finalmente enterraram o pobre do Locke (o original). Nesta trama, a única coisa que chamou a atenção foi o fato de a Ilana saber que o Locke falso está recrutando. Por este motivo, acho que é seguro afirmar que vem uma guerra por aí.

2)      A realidade alternativa do Locke. O que chamou a atenção: O Locke e a Helen estão noivos e vão se casar muito em breve. Eu não tenho certeza, mas acho que a Helen havia abandonado o Locke na realidade original. Mais um item para a nossa lista de circunstâncias diferentes nesta nova realidade. Outra coisa bem legal foi o encontro com três personagens da ilha. Hurley, Rose e Ben – que pasmem, é um professor do Ensino Médio de História Européia. A Rose está com câncer terminal.

3)      A história na ilha com o Locke falso foi de longe a mais interessante, já que neste episódio descobrimos o grande xis da equação do seriado: Porque aquelas pessoas específicas estão na ilha.

Claro que, como um bom episódio de LOST, para cada resposta dada surgem outros mistérios. Pois bem, vamos começar pela resposta. Jack, Sawyer, Locke, Sayid e companhia foram trazidos para a ilha porque são candidatos a substituir o Jacob na função de ser superior que comanda a tudo e todos na ilha. E para protegê-la, é claro. No entanto, o Locke falso fala para o Sawyer que a ilha não precisa de proteção. E essa é a grande ironia da história toda, pois o Jacob passou anos e anos atraindo diversas pessoas para a ilha para nada. É bom lembrar que esta afirmação partiu do Locke Falso, então realmente fico com um pé atrás para acreditar nele.

A lista de candidatos do Jacob, no entanto, contém vários nomes e cada um deles está associado a um número. Na lista, diversos nomes já foram riscados, como Littleton, Pace, Carlyle, Goodspeed e, mais recentemente, Locke. Os nomes que restam são:

4 – Locke – que foi riscado neste episódio.

8 – Reyes

15 – Ford

16 – Jarrah

23 – Shephard

42 – Kwon

E aí, meus queridos, foram levantadas outras diversas questões. Primeiramente, por que a Kate não está na lista, já que foi mostrado o encontro dela com o Jacob? Segundo, o que os números realmente significam? Eles nos mostraram a que os números estão ligados, mas não o real significado deles. Terceiro, por que há somente homens na lista (presumindo, é claro, que o Kwon na lista seja o Jin)?

Outro mistério jogado na nossa cara foi que o Locke falso viu diversas vezes durante o episódio um menino loiro na floresta. Quando perguntou a Richard se ele estava vendo a criança, Richard disse que não. Mas Sawyer o viu também. Uma das teorias que eu já vi por aí é que o Sawyer consegue ver o menino porque é um dos candidatos do Jacob. Mas aí surge outra questão: quem é esse raio desse menino? Porque o Locke falso aparentemente é inferior a ele no quesito autoridade, uma vez que a criança lhe falou “você conhece as regras. Você não pode matá-lo”. Matar quem, meu Deus?!

Eu juro que essa série acaba comigo.

Por fim, Locke falso deu a Sawyer três opções após informá-lo de sua candidatura para ser o novo Jacob:

1)      Não fazer nada

2)      Aceitar o trabalho

3)      Ir embora da ilha junto com Locke falso

 

Três chances pra adivinhar o que o Sawyer respondeu.

E então, o que vocês acham? Qual é o significado dos números, agora que temos mais informações sobre eles? Quem é o menino loiro? E qual é o candidato mais forte para substituir o Jacob?

Tags: , ,

Para desespero de muitos fãs, o episódio desta semana de Lost foi focado na Kate. Para muitos, isto só pode significar desastre total. Normalmente, os episódios Kate-centrics concentram mais no desenvolvimento das personagens e na maioria das vezes no fatídico polígono amoroso que tanto aflige os fãs da série.

Por esta razão, a grande maioria já começou a assistir este episódio de cara feia, esperando que fosse ser horrível. Pessoalmente, eu achei que foi um episódio bastante sólido, mas somente um filler, ou seja, tapa buraco. Este tipo de episódio serve como uma ponte para os grandes episódios em que toda a ação acontece. Mas mesmo assim, não merece tanto desdém quanto eu tenho visto nos blogs e fóruns internet a fora.

Claro que, neste caso, eu não consigo ser imparcial, pois a Kate ainda é a minha personagem preferida, mesmo depois de todas as barbaridades que os produtores/roteiristas fizeram com a pobre. Fazê-la de ioiô entre o Jack e o Sawyer em todas as temporadas realmente já deu o que tinha que dar.

Por isso, acho que neste episódio a Kate deixou sua escolha bem óbvia ao ir atrás do Sawyer. Calma, antes de jogarem pedras na minha direção, deixa eu explicar. Primeiramente, o que eu vou falar é apenas a minha humilde opinião. Pois bem, durante quatro temporadas vimos a Kate brigar com o Sawyer e voltar pro Jack e vice-versa. Isso cansou. Transformou a personagem em uma pessoa frívola e irritante, na maioria das vezes. Daí na quinta temporada, outra pessoa tomou o lugar dos dois no coração dela. O Aaron. Quando ela se dispôs a criá-lo, acho que ele se tornou o centro do universo dela. Claro que ela nunca esqueceu nem o Jack nem o Sawyer, mas acho que fora da ilha ela ficou com o Jack por falta de opção, já que achava que nunca mais veria o Sawyer.

Daí ela volta pra ilha, encontra o Sawyer, atrapalha a vida dele com a Juliet – pois esta fica com ciúme – a bomba explode, Juliet morre e Sawyer fica arrasado. Ao ir atrás dele neste episódio, ela provou – para mim – que ela gosta mesmo dele. Tanto faz se eles vão acabar juntos ou não; a essa altura eu estou pouco me lixando para isso. Mas ali na cena em que eles sentam no píer, o triângulo acabou. Porque ela fez a sua escolha, mas agora quem não quer é ele. E no fim, acho que todos vão acabar sozinhos. Outra coisa que precisa ser comentada é a atuação do Josh Holloway. MEU DEUS, como eu sofri com ele. O cara tá dando um show!

Pois bem, agora que essa parte do triângulo já está comentada, vamos ao resto do episódio. A parte da realidade alternativa foi… legalzinha. Um tanto quanto bizarra, porque a Claire vira BFF da Kate mesmo depois de ter sido seqüestrada e ficado na mira de um revólver. Mas tudo bem, nós captamos a mensagem que eles queriam passar. Aparentemente todos os personagens vão se encontrar de alguma forma nesta realidade alternativa, pois é o destino deles. Já está escrito, portanto, mesmo que algumas circunstâncias sejam modificadas, o destino dá um jeitinho. Esta teoria ficou ainda mais óbvia quando o médico que atendeu a Claire no hospital foi ninguém menos que o Ethan.

De volta à ilha, Dogen (o líder japa dos Outros do Templo) e seu fiel escudeiro Lennon torturam o Sayid. Quando questionado por Jack, Dogen explica que eles estavam fazendo o diagnóstico e que Sayid está infectado. Por isso, pedem a Jack que dê uma pílula a ele, que mais tarde é revelado que era veneno e não um remédio para curar o iraquiano.

Dogen explica que Sayid foi tomado pela escuridão e que se esta chegar ao coração dele, ele nunca mais será o mesmo. Tá, não entendi e me confundiram mais ainda, mas tudo bem. Quando Jack pergunta como ele tem certeza que isso acontecerá, Dogen diz que foi isso que aconteceu com Claire. Agora a pergunta que não quer calar é: o Sayid foi tomado por quem? Ou pelo quê? Pelo Fake Locke? Pelo Jacob? Por alguma outra coisa que ainda não sabemos? O que vocês acham?

Enquanto isso, Kate e Jin foram atrás de Sawyer com outros dois Outros. Agora, eu vou te falar, eu ADORO Kate badass. Adoro mesmo! É sempre divertido vê-la dando porrada em homens com o dobro do tamanho dela. Jin se separa de Kate para tentar achar a Sun, mas acaba sendo capturado pelos Outros novamente. Quando o Outro malvado está prestes a puxar o gatilho, alguém atira nele. Três chances para adivinhar quem é!

Nossa querida Claire, num estilo Rosseau de ser, com rifle e tudo.

E com isso, fechamos o episódio desta semana. Mediano, mas não me decepcionou. Nota 8. Não podemos ter episódio fantásticos toda semana e acho que muitos fãs tem que começar a entender isso. Mas enfim…

Antes de começar a review de LA X, eu preciso tirar algo do peito. MEU DEUS, como é bom ter Lost de volta! Juro que meu coração estava acelerado quando o episódio saiu. E ao mesmo tempo já bate uma tristeza, sabendo que essa é a última season premiere de Lost que vamos assistir. Como já comentaram por aí, quando Lost acabar mesmo em maio, vai existir uma nova divisão temporal – pelo menos ao que diz respeito à televisão: A.L e D.L.

 SPOILERS – Depois não vai dizer que eu não avisei!

 

 

Com isso dito, vamos à crítica do episódio duplo de estréia da sexta temporada da série intitulado LA X. A expectativa que girava em torno da estréia da última temporada de Lost atingiu um nível que estava levando os fãs ao redor do mundo à loucura. O cliffhanger com o qual a quinta temporada terminou, deixou todos extremamente confusos, sem nenhuma idéia de onde a história poderia ir. Afinal de contas, a season finale terminou com a Juliet (que ela descanse em paz) explodindo uma bomba de hidrogênio. E vamos ser sinceros, quando uma bomba de hidrogênio explode não se espera que alguém sobreviva para contar a história.

Mas como em Lost tudo é possível e a imaginação do time Darlton parece não ter fim, eu posso dizer que a bomba meio que cumpriu o seu propósito. Como, você me pergunta? Calma, vamos por partes.

O episódio se dividiu em três tramas diferentes. E não, eu não estou falando dos flashbacks e nem dos flashforwards. Aliás, nem da viagem no tempo.

Desta vez, acompanhamos os eventos pós explosão da bomba, pós morte do Jacob e – pasmem – uma realidade alternativa. E é justamente aí que o episódio começa. Jack está de volta ao Oceanic 815 e bate um papo com a Rose enquanto o Bernard foi ao banheiro. Igualzinho ao flashback da primeira temporada. Aí começa aquela turbulência tensa e sabe o que acontece depois disso?

Nada.

A turbulência passa e o vôo continua no seu caminho. Tudo indica que a bomba funcionou, até porque antes dos créditos de abertura vemos a ilha debaixo d’água. Mas aí que está a grande questão. Porque na volta dos créditos, nós encontramos a Kate acordando no topo de uma árvore – meio surda, diga-se de passagem – mas ainda na ilha, que está muito bem, obrigada, e do jeitinho que eles conheciam. Só que eles não estão mais em 1977. Kate encontra Miles e, juntos, eles encontram os destroços da escotilha que explodiu na segunda temporada, o que os coloca de volta no tempo presente: 2008.

Sua cabeça já está girando? Se não, ela vai começar a girar agora.

Sabe o doido ainda sem nome que queria matar o Jacob e se transformou no Locke? Pois é, ele também é a nossa querida fumaça preta, carinhosamente chamada de Smokie pelos fãs. Então, ele mata metade da equipe da Ilana e conta pro Ben que, ao contrário de John Locke, que queria ficar na ilha desesperadamente, o objetivo dele é sair da ilha.

Viva a ironia.

Como e por que eu realmente não faço idéia, mas imagino que o Richard tenha algo a ver com isso, pois no fim do episódio ele nocauteia o pobre e o leva embora. Vai entender, né?

De volta à escotilha explodida, Kate e Miles encontram Sawyer e Jack desacordados. Kate acorda Jack e antes que ele possa entender o que está acontecendo, Sawyer logo o transforma em um saco de pancadas e o chuta cratera abaixo. Foi lindo de se ver. Sorry, Jack fans.

Enquanto os dois estão discutindo – Sawyer gritando que ele é um idiota, que ele estava errado e que o plano idiota de explodir uma bomba de hidrogênio realmente não foi uma idéia feliz, enquanto Jack tenta se desculpar – Kate manda todo mundo calar a boca. Adivinha! Juliet está viva! Mas não por muito tempo. Realmente vou sentir falta dela.

Enquanto isso, Hurley está na Kombi com o pobre Sayid morrendo, quando Jacob resolve lhe fazer uma visita e lhe diz que eles precisam salvar nosso torturador preferido e para isso, eles precisam ir para o Templo. Onde o Ben perdeu sua inocência, segundo Richard. Interessante. Ainda não consegui entender isso e a única coisa que me vêm à cabeça não é muito apropriada.

Enfim, depois que a Juliet morre de verdade, eles levam Sayid para o Templo e são capturados pelos Outros. De novo. Sawyer e Miles ficam para trás para enterrar Juliet, mas logo são capturados pelos Outros também. Lá eles quase são fuzilados até que Hurley grita que Jacob os mandou. Em seguida, eles tentam afogar Sayid numa fonte que aparentemente cura as pessoas. Ou pelo menos deveria, mas segundo o líder chinês dos Outros, o caso de Sayid não tinha mais jeito. Tadinho.

De volta à realidade alternativa, várias coisas acontecem. Resumindo:

Charlie (!!!) quase morre sufocado no banheiro do avião depois de engolir um pacote de heroína, mas Jack o salva. Charlie é preso e fuzila Jack com os olhos.

Locke e Boone conversam durante o vôo. Locke mente sobre o Walkabout e Boone acredita.

Rose e Bernard estão felizes.

Desmond está no vôo!! Este foi um momento muito WTF! Ele está sentado ao lado de Jack.

Kate está viajando com o Agent Mars, a caminho da prisão. Quando ela sai do banheiro, tropeça em Jack e convenientemente rouba a caneta que estava em seu paletó. Tal caneta mais tarde será usada para tentar abrir suas algemas no aeroporto, quando ela pede ao Agent Mars para ir ao banheiro. Quando não consegue, ela o ataca, dá porrada nele, rouba sua arma e foge. That’s my girl!

Hurley diz a Sawyer que é o cara mais sortudo do mundo. Oi?!

A Oceanic Airlines perde a mala cheia de facas do Locke. E o caixão com o pai do Jack dentro. Locke e Jack conversam no aeroporto e Jack lhe oferece uma consulta por conta da casa. Nunca vi os dois serem tão simpáticos um com o outro. Foi meio bizarro.

Sawyer meio que facilita a fuga de Kate, que entra num taxi, aponta a arma pro motorista e o manda dirigir. Só que o taxi não estava vazio. Claire grávida estava lá.

De volta ao Templo, os Outros discutem com Jack. Hurley o chama, assustado. Sayid está vivinho da silva. Meio grogue, é claro, mas vivo.

Fade to Black.

LOST

SENSACIONAL. Lost está de volta, galera! E sabe o que é melhor? A audiência voltou também: Foram 12 milhões de espectadores, 6% a mais que a premiere da quinta temporada.

Simplesmente sensacional.

Ficou curioso, né? Dá uma olhadinha no promo do próximo episódio!

Ficou mais curioso ainda?

Já tem sneak peek disponível para satisfazer a curiosidade dos fãs mais afoitos aqui

Até semana que vem!

Ontem foi divulgado o primeiro promo com cenas inéditas da sexta e última temporada de Lost. Crédito da legenda é do site DudeNews.

Quem mais está contando os segundos até amanhã?

Lembrando que amanhã estréia nos EUA, mas com certeza estará disponível para download no mais tardar quarta de manhã.

Neste fim de semana rolou a premiere no Havaí e a primeira parte do episódio duplo de estréia da temporada já vazou na rede. No entanto, pelo que estão falando, a qualidade da imagem é péssima e o áudio pior ainda. Mas, se você realmente não aguenta mais esperar nem um segundinho, clique aqui.

Eu recomendo esperar até amanhã e assistir em HD.


Blog Tudo.ao.mesmo.tempo.agora

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Categorias

Mais Avaliados

Blog Stats

  • 29,733 hits